Ir para o conteúdo
Buscar
NAVEGUE EM NOSSO SITE
Encontre o que deseja
Você está no perfil:

Mudar Perfil

Agência de Notícias

Buscar
BUSCA DE NOTÍCIAS
Comarca de Pindobaçu realiza primeira audiência de custódia por meio da Língua Brasileira de Sinais
23 de maio de 2023 às 10:58
Comarca de Pindobaçu realiza primeira audiência de custódia por meio da Língua Brasileira de Sinais

A Vara Criminal da Comarca de Pindobaçu realizou a primeira audiência de custódia com o auxílio de uma tradutora e intérprete da Língua Brasileira de Sinais (Libras), na quarta-feira (17). Desse modo, possibilitou a comunicação e o entendimento do custodiado, que é surdo e mudo.  

Ele foi preso em flagrante por crime em contexto de violência doméstica e familiar contra a mulher, praticado contra a companheira. O Auto de Prisão em Flagrante foi encaminhado e distribuído na segunda-feira (15), para a Vara Criminal. 

Diante da informação do conduzido ser pessoa surda, o Juiz Cícero Alisson Bezerra Barros solicitou com urgência a secretaria da Vara Crime uma intérprete em Libras. “A busca foi exitosa, a intérprete prontamente atendeu ao chamado e acompanhou a realização de todo o ato, atuando na facilitação e comunicação entre o conduzido e os demais participantes”, relata o Magistrado. 

A audiência de custódia tem como objetivo averiguar a regularidade da prisão. Trata-se de um direito processual garantido ao preso em flagrante, a fim de que ele possa ser ouvido por um juiz e eventuais ilegalidades em sua prisão sejam avaliadas. Na ocasião, também foram ouvidos Ministério Público e o advogado do preso. 

O Juiz de Direito da Vara Plena de Pindobaçu, Cícero Álisson Bezerra Barros, avalia como positiva a realização da audiência por meio da Libras, considerando que a população surda e deficiente auditiva (DA) vivencia, diariamente, barreiras comunicacionais para acessar serviços e atividades que envolvem a interação com pessoas ouvintes, seja por meio de linguagem oral ou escrita. A referida audiência foi possível graças a cooperação da Servidora do Ministério Público baiano Letícia da Silva Santos, que é fluente na comunicação. 

Ao final da audiência, o custodiado foi colocado em liberdade, mediante a obrigação de cumprir medidas cautelares diversas da prisão e aplicação de medidas protetivas de urgência em favor da vítima. 

A atual gestão do Tribunal de Justiça da Bahia (TJBA), presidida pelo Desembargador Nilson Soares Castelo Branco, tem investido e incentivado o uso da Língua Brasileira de Sinais. O Judiciário busca aumentar o número de intérpretes de Libras cadastrados no Sistema de Apoio a Perícias Judiciais, que podem ser solicitados para atuar em audiências e perícias em geral. A Universidade Corporativa também promove capacitações nesta área, e os eventos e as sessões do Tribunal Pleno contam com a tradução simultânea da língua portuguesa para a língua de sinais. 

As ações da Presidência seguem a Resolução n. 401/2021 do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), que determina ao Poder Judiciário garantir a acessibilidade às pessoas com deficiência auditiva. 

Descrição da imagem: print screen da audiência de custódia on-line [fim da descrição]. 
#pracegover #pratodosverem 

Texto publicado: Ascom PJBA